Quinta-feira, 29 de Janeiro de 2009
Teatro na biblioteca




No intervalo das 10 horas, nos dias:
26 de Janeiro (Segunda-feira)
28 de Janeiro (Quarta-feira)
30 de Janeiro (Sexta-feira)

Representações teatrais baseadas
no livro de
António Mota:

 

"A Casa das Bengalas"

 


Actores:

Alunos do 8ºA
  
Bertinho Silva, nº1
   Bruna Cardelho, nº8
   Diana Azevedo, nº24

 Alunos do 9ºE

    Ana Rita Costa, nº5

 



publicado por BE Lerporquesim às 22:33
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 28 de Janeiro de 2009
Imagens de África

 

 

Uma enxada!

 

Foi a imagem que fixei da notícia transmitida no telejornal
 sobre a fuga de homens, mulheres e crianças no Congo.

            Fugiam dos rebeldes Tutsi a quem, nem as forças governamentais, conseguem conter, nem contra quem, as forças da paz, soldados da ONU, os conseguem proteger. Estes refugiados, feitos multidão, caminham carregando uma trouxa que, de tão pequena, deixa adivinhar o tamanho dos seus haveres. Destaca-se, neste caminhar, uma mulher magra de expressão conformada quase ausente, cujo bem mais precioso é uma enxada que ela segura fortemente como se pudesse com esse gesto agarrar o presente e o futuro, espelhos das suas necessidades e expectativas. Uma enxada, meu Deus, uma simples enxada divide o mundo da abundância e da pobreza! Uma enxada que vai cavando a sepultura dos que morrem à fome de pão e de justiça, dos silenciosos e dos esquecidos pela indiferença do outro lado do mundo.

E os capacetes azuis, porque permitem que Ruanda se repita no Congo? Como podem, forças de paz, permitir os massacres? É isto justo? É verdade que o mundo não se divide em bons e em maus, mas quando os direitos humanos não são respeitados por uns, não serão estes os maus? E então, se a negociação não resulta, não será legítimo usar a força das armas dos soldados da paz para proteger os desprotegidos? Já os gregos defendiam que ignorar os culpados é castigar os inocentes. Faça-se, pois, justiça!
            Que a mulher da enxada encontre o seu destino. Tomara que, em breve, possa utilizar aquela enxada para desbravar o caminho que a leve para terras férteis em paz e solidariedade. Tomara que ao rasgar a terra em sulcos profundos a transforme numa África nova, abundante de pão e felicidade. Tomara…
 
Professora Aurora Vieira

 



publicado por BE Lerporquesim às 10:51
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 15 de Janeiro de 2009
Ser bom aluno "bora lá" - Jorge Rio Cardoso

 

Ser bom aluno

Bora lá? 

 

Jorge Rio Cardoso

 
            Durante as férias de Natal, fui aconselhada pela minha professora de português e directora de turma a ler com atenção um livro que de certeza me iria fazer pensar e ajudar a mudar atitudes que todos acreditam trazerem resultados mais positivos para mim.
Quando comecei a ler o livro, no início das férias, não gostei muito da ideia, pois encarava o livro como uma obrigação que tinha de cumprir, mas logo percebi que o livro tinha tudo a ver comigo pois quanto mais lia, mais sentia que o livro estava a falar de mim, por isso, decidi lê-lo até ao fim.
Demorou, mas acabei por conseguir lê-lo e, no fim, senti que tinha de mudar e que todas as pessoas à minha volta tinham razão ao dizer que eu não me estava a esforçar o suficiente. Cada página parecia um dia que eu tinha passado nas aulas e isso dava-me força para continuar a ler e fazer o que o livro mandava.
Agora e daqui em diante, vou fazer os possíveis e, se conseguir, os impossíveis para mostrar a tudo e a todos que eu consegui mudar. Se me deixarem, vou passar a ser uma aluna exemplar e, se o que diz o livro é verdade, nunca mais vou querer outra coisa.
O livro tinha palavras que eu não conhecia mas, com a ajuda de um dicionário, nada é impossível. Às vezes cansava-me de o ler e deitava-me na cama a pensar no que tinha lido. Fora as palavras difíceis, o livro para mim é bom porque eu fico com um pressentimento que o livro é a minha vida na escola.
É um livro que decerto me vai ajudar a reflectir em todos os passos que daqui para a frente vou dar, espero que quando estiver em alguma situação mais desagradável me venha á memória tudo o que li para poder ultrapassar todas as barreiras.
Depois de ler atenciosamente, comparar com a minha situação e imaginar como tudo se estava a passar comigo, facilmente cheguei à conclusão que tenho de melhorar, tanto as notas como os meus métodos de estudo que, a partir de agora, serão outros, para além de me tornar uma aluna exemplar, vou dar-me com todos, mas isso vai ser o mais fácil pois eu já me dou bem com todos.
Cheguei à conclusão de que todos os que me diziam para eu estudar e estar mais atenta nas aulas eram os meus verdadeiros amigos (familiares, colegas e sobretudo os professores). Os familiares diziam que eu tinha possibilidades para mais; os colegas (alguns) diziam que eu era muito inteligente e que me podia esforçar mais; os professores conheceram-me como boa aluna e, de repente, eu baixei as notas e eles ficaram muito desapontados comigo.
Por isso, eu quero mostrar, principalmente aos professores, que consegui mudar e, de certeza absoluta, que eles ficarão muito satisfeitos.
A partir de agora quero mostrar aos meus professores que eles tinham razão e eu sou mesmo a aluna que eles achavam que fosse…
Agradeço à minha directora de turma a força e incentivo que me está a dar e sobretudo o carinho e a amizade que mostra ter por mim.
 Acho que nunca me vou esquecer da frase de Aristóteles:
“A Educação tem raízes amargas, mas os seus frutos são doces”
 
Inês Monteiro, 8ºC

 



publicado por BE Lerporquesim às 11:27
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito

Segunda-feira, 5 de Janeiro de 2009
Dar espaço à poesia...

 

O meu mundo…
 O meu mundo é assombrado
Constituído por nomes abstractos
Onde está tudo quebrado
Onde o céu é preto

E por vezes amarelado
Onde o Inverno é quente
E o Verão gelado
Onde tudo está trocado

Sem me preocupar com o destino
Ou se ele é ou não dourado
O que importa neste momento
descobrir se ele está do meu lado.
 

 

 

Ser poeta…
Ser poeta
É voar
Pensar mais alto
que sonhar
 Viver a vida
sem se preocupar
girar o mundo
em meu luar
 É imaginar o destino
Criar palavras sem se cruzar
É seguir um caminho
Que começa sem acabar

 

 Sofia Martins, 8ºE

 



publicado por BE Lerporquesim às 11:39
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

.mais sobre mim
.Janeiro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.posts recentes

. Já temos novo blog!

. Vem aí um novo formato pa...

. Vencedora do concurso de ...

. Dia da Filosofia

. Livro de Mês

. Outubro, Mês Internaciona...

. Outubro, Mês Internaciona...

. Livro de Mês

. Día de la Hispanidad en l...

. Outubro, Mês Internaciona...

.arquivos

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Janeiro 2009

. Outubro 2008

. Março 2008

. Janeiro 2008

. Maio 2007

.tags

. todas as tags

.links
.pesquisar